<
Câncer de Colo de Útero

Dr. João Batista Magro Filho
Dra. Maria Aparecida Andrés Ribeiro 

Introdução

Muitas vezes, quase sempre por vergonha, preconceito e medo de realizarem os exames ginecológicos de rotina, as mulheres colocam desnecessariamente sua saúde em risco - e portanto sua vida. Entretanto, especialmente no caso do câncer de colo de útero, este é um sério perigo haja vista esta doença ser responsável por milhares de mortes em todo o mundo, devendo ser devidamente prevenida e controlada. 
 As mulheres, as maiores interessadas, devem criar o hábito de regularmente, pelo menos uma vez por ano, realizar os exames ginecológicos - sem medo ou vergonha do médico e, especialmente, sem qualquer visão preconceituosa tanto da parte delas próprias como de seus maridos ou parceiros.

Na atualidade, os exames ginecológicos devem ser encarados como uma prevenção de saúde absolutamente necessária para todas as mulheres. Seus resultados permitem ao ginecologista maior segurança nas informações a serem repassadas, prevenindo situações mais graves e possibilitando o efetivo controle do câncer de colo de útero.

No Brasil, em decorrência do alto índice de mortalidade, esta doença é considerada grave problema de saúde pública, representando a segunda causa de morte por câncer. Considerando tal fato e visando diminuir sua incidência e reduzir as taxas de mortalidade, o Ministério da Saúde promoveu, em 1999, a primeira grande campanha de exames para detecção do câncer de colo de útero, conclamando as mulheres a realizarem os exames preventivos.

O câncer de colo de útero

Apesar do nome aparentemente assustador, esta é uma doença de fácil detecção através de um exame periódico simples, o conhecido exame Papanicolaou - ou exame preventivo de câncer de colo de útero. Quando diagnosticada em sua fase inicial, tem grande probabilidade de cura, daí a efetiva importância da realização anual do exame ginecológico.

Veja no diagrama abaixo onde fica o colo do útero:

O útero da mulher é composto por colo, corpo e fundo. Inicialmente, o tumor limita-se à região do colo. Sua evolução ocorre vagarosamente, motivo pelo qual, se atendido a tempo, é curável na quase totalidade dos casos. Entretanto, se não tratado em tempo hábil, pode estender-se para todo o útero e outros órgãos. Atinge predominantemente mulheres na faixa de 35 a 50 anos porém, há muitos relatos de casos em pacientes com cerca de 20 anos. Naquelas com mais de 50 anos, é absolutamente necessária a realização regular dos exames. 

Esta é a imagem normal do colo do útero no exame ginecológico:


 

Atenção! O exame preventivo é a única maneira de identificar o câncer de colo de útero em seu início, quando pode ser tratado sem maiores problemas.
Quando de sua instalação, o câncer de colo de útero tem a seguinte evolução:
  • displasia - lesão inicial onde as células do colo sofrem alterações mínimas;
  • decorridos cerca de 3 anos do surgimento da displasia, instala-se uma forma localizada de câncer chamada carcinoma in situ;
  • após 6 anos, o tumor invade a mucosa do útero e torna-se um carcinoma microinvasor;
  • 14 anos após o aparecimento da displasia, o câncer assume sua forma mais terrível espalhando-se, mediante a ocorrência de metástase, para outras regiões do corpo.
Fatores que podem causar o câncer de colo de útero
  • Mulheres com muitos parceiros sexuais;
  • Mulheres que tiveram muitos filhos ou muitos partos em condições precárias de higiene;
  • Mulheres que têm confirmada a presença de papiloma vírus humano (HPV) e herpes vírus tipo II;
  • Mulheres que fumam e que há muito usam pílulas anticoncepcionais;
  • Mulheres idosas, na pós-menopausa, por volta dos 60 anos;
  • Mulheres obesas;
  • Mulheres que contraem doenças infecciosas, como herpes e verrugas; 
  • Mulheres que praticam ou praticaram relações sexuais precoces e/ou promíscuas (com diversos parceiros); 
  • Mulheres, na faixa de 30 a 45 anos, que não realizam o exame ginecológico anual - inclusive as mais idosas.
CUIDADO! Às vezes, a mulher não apresenta sintoma algum, até o câncer se agravar. Por isso, é de fundamental importância a realização do exame Papanicolaou pelo menos uma vez por ano ou Segundo recomendação médica.

Possibilidades de cura

Quando o câncer de colo de útero é diagnosticado em seu início, é possível obter melhores resultados no seu tratamento. No mais das vezes, ocorre a cura. Quando diagnosticado mais tardiamente, faz-se necessário tratamento cirúrgíco, seguido de radioterapia e quimioterapia.

Como prevenir-se

Evitar promiscuidade sexual e realizar anualmente o exame Papanicolaou, a partir dos 20 anos ou desde que inicie suas atividades sexuais, são atitudes fundamentais. Se a mulher realmente se gosta, tem auto-estima e respeito próprios, deseja viver plenamente e apreciar a vida, ela deve ter o compromisso de cuidar permanentemente de sua saúde pessoal, evitando que uma doença como o câncer de colo de útero, de fácil diagnóstico, invada seu corpo, prejudique sua saúde e mesmo sua vida. 

Nos casos de resistência por parte de maridos/parceiros sexuais, cabe às mulheres o papel de esclarecê-los sobre a efetiva necessidade de realização do exame, não permitindo que preconceitos contra o médico que as examina sejam responsáveis por um sério agravo à sua saúde. Portanto, devem conversar com seus esposos e/ou parceiros, dar-lhes confiança e segurança emocional, alertando-os para o perigo que o câncer de colo de útero representa. Devem, inclusive, solicitar seu apoio e presença quando da realização do exame. 

A diminuição, a médio prazo, da incidência do câncer de colo de útero e das altas taxas de mortalidade por ele provocadas só será possível a partir da participação de todos, homens e mulheres. 

É necessário acabar com o preconceito, o medo e a vergonha que mulheres e homens têm com relação aos exames ginecológicos. 
Sem esses sentimentos, as pessoas estarão mais conscientes da importância de agir para a melhoria de sua saúde pessoal e do bem- estar de toda a comunidade. A saúde é um direito de todos, mas inicia-se com o dever de se cuidar do corpo e buscar uma vida saudável.

Para Saber Mais


Reproduzido com a Autorização do Ministério da Saúde. Comvênio MS/Fundep Universidade Federal de Minas Gerais. Programa VIVA LEGAL/TV FUTURA

Copyright © 1996-2002 Universidade Estadual de Campinas
Uma realização: Núcleo de Informática Biomédica
Todos os direitos reservados. Reprodução proibida.