<

Correio Eletrônico

Lúpus Eritematoso Sistêmico
10/04/97


Tendo consultado a revista conforme me foi indicado, encontrei apenas 2 respostas à consultas, o que não me deu todas as respostas que eu preciso.
Assim sendo, ficaria muito grato se pudessem me dar maiores informações tais como:
  • Suas características;
  • Aparecimento;
  • Tratamento;

Grato.
Marcelo

O Lúpus Eritematoso Sistêmico é uma doença difusa e generalizada do tecido conjuntivo, de caráter inflamatório, comprometendo praticamente todos os setores do organismo possuindo grande riqueza de alterações imunológicas.
A presença (detecção) de anticorpos antinucleares é uma das características mais freqüentes. Atinge preferencialmente as pessoas do sexo feminino, durante o período de atividade sexual (13 e 40 anos em mais de 60% dos casos).
Possui causa desconhecida, e é caracterizada por uma hiperatividade inflamatória. Podem os pacientes apresentar fadiga, anemia, febre, rashs cutâneos,sensibilidade ao sol, alopécia (perda de cabelo), artrite, pericardite, pleurite, vasculite, nefrite e doença do sistema nervoso central.
O curso da doença não é previsível estando sujeita a remissões e exacerbações. Como sua pergunta se restringe a afetação articular da doença tecerei maiores comentários sobre estes sinais e sintomas.
Os sintomas ligados ao aparelho ósteo-articular são os mais freqüentes e em cerca de 50% dos pacientes essas são as queixas iniciais. Podem surgir artrite, periartrite, tenossinovite, e até casos de necrose óssea avascular.
Uma síndrome reumatóide similar a artrite reumatóide pode ocorrer. As mãos são as articulações mais acometidas, geralmente de caráter transitório, com ataques recorrentes e que geralmente não levam a deformidades residuais (diferentemente da artrite reumatóide).
Pode haver subluxação metacarpo-falangiana, desvio ulnar digital, deformidade em pescoço de cisne e deformidade em extensão do primeiro dedo. Os joelhos também são afetados. A diferença em relação a artrite reumatóide é que radiológicamente não observamos erosões e escleroses ósseas apesar das deformidades.
Quadros de poliartrite migratória, sim&eacu carpo. Mialgias (dores musculares) são descritas e ocorrem em 30% dos pacientes.
O tratamento é feito sob orientação médica com drogas como a prednisona, antimaláricos, azatioprina, ciclofosfamida e outros fármacos para o controle das complicações.
Espero ter elucidado suas questões, qualquer dúvida envie-me e-mail.
Dr. Jorge W. Magalhães de Souza - Clínica Médica / Perícia Médica - Rio de Janeiro/RJ

Copyright © 1996-2000 Universidade Estadual de Campinas
Uma realização: Núcleo de Informática Biomédica
Todos os direitos reservados. Reprodução proibida.